Pietà à beira do abismo.png

Pietà à beira do abismo

Mateus Scota

A produção desta proposta nasce como parte de uma pesquisa de doutorado em poéticas performáticas e suas intersecções com o animal, os entrecruzamentos humano-animais e a animalidade nas representações artísticas e culturais contemporâneas. Tal pesquisa, em processo, prevê a realização de ações, performances, foto performances, vídeo performances e outras manifestações, como paralelas aos estudos teóricos, analíticos e a reflexão dos fenômenos animais na arte, sejam eles metafóricos, alegóricos, simbólicos, figurativos ou, simplesmente, linhas de fuga entre os corpos humanos e animais.

IMAGÉTICAS _

24 de abril a 26 de junho

Todo o período

Ficha Técnica

Fotografia:

Mateus Scota

Performers:

Vitor dos Santos Corrêa de Almeida e Vinicius dos Santos Corrêa de Almeida

MiniBio

Artista, doutorando em Teorias e Práticas do Teatro pelo Programa de Pós-graduação em Teatro (UDESC/PPGT, SC, Brasil - 2019), mestre em Arte Contemporânea pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais - PPGART (UFSM/PPGART, RS, Brasil - 2016/2018), graduado como Bacharel em Artes Cênicas - habilitado em Interpretação Teatral pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, RS, Brasil - 2011/2014), integrante do Grupo de Pesquisa Corpo, Imagem e Imaginação (CNPq, 2014) e do Grupo de Pesquisa em Artes: Momentos Específicos (CNPq, 2016). Possui experiência em artes e campo de atuação na intersecção entre teatro e artes visuais, desenvolvendo pesquisa na Arte Contemporânea com ênfase na arte da performance e nos estudos sobre o animal (atravessamentos, entrecruzamentos, intersecções humano-animal). Em seus últimos trabalhos tem investigado interpretações poéticas do corpo (e ações) na interpenetração das fronteiras entre humano e animal. Dentre seus trabalhos, Couraça (2017) compõe o acervo do Museu de Artes de Santa Maria (MASM, 2017) como trabalho premiado pelo XV Salão Latino-Americano de Artes Visuais. Saiba mais em mateusscota.wordpress.com.